sábado, 17 de fevereiro de 2018

"MEMORIAL",




Hoje, dia 17 de Fevereiro de 2018, o meu irmão, falecido em 08-02-2018, completaria mais um ano de vida, no entanto, a terrificante morte chegou primeira e destruiu completamente o jardim de existência de meu irmão.
Na mesma data, em épocas anteriores, quantas festas, parabéns para você, bolos, salgadinhos, churrascos, filés, asas e miúdos de frangos, assados pelo próprio aniversariante, que com sua mão esquerda, tornava-se um mestre em assados, sem contar o repertório de piadas, contadas pelo próprio, arrancando gargalhadas dos presentes. Fora de sério, nasceu para ser social e amigos de muitos.
Esse cenário caiu por terra com a morte de meu irmão, foi substituído por tristezas, saudades eternas, sofrimentos, angústia e a falta de sua presença.
A morte faz parte do ciclo vital, nascer, crescer, atingir a maturidade, casar, reproduzir, envelhecer e morrer, mas, não é fácil encará-la, em hipótese nenhuma.
Morte! Mesmo sabendo que você estraçalha com família, deixa marcas profundas no ser humano, difícil de apagar, eu não tenho medo de você.
Por quê sou valente? Não, em hipótese alguma.
Não tenho medo de você, em face de crer num Deus Único, Poderoso e com autoridade absoluta sobre a vida, a morte, o inferno e sua capetada.
Na Bíblia Sagrada, temos a registrar:
- Em 1 Samuel, 2:6, encontramos o seguinte: O SENHOR É O QUE TIRA A VIDA E A DÁ; FAZ DESCER Á SEPULTURA E FAZ TORNAR A SUBIR DELA”.
- Em Apocalipse 1 e parte do versículo 18, encontramos: “E TENHO AS CHAVES DA MORTE E DO INFERNO”.
Deus é absoluto, tem poder sobre a vida, a morte, o inferno e em tudo, sem exceção, Ele é exclusivo, não existe outro igual e fim de papo.
A morte possui autoridade, dentro do consenso de Deus, limitada; ela atinge a matéria e consegue derrubar o corpo corruptível, que foi emprestado do pó e, ao pó voltará, mas, não tem autoridade sobre o espírito; resumindo:  Mata o corpo mas não mata o espírito.
No final dos tempos, encontramos em Apocalipse 20:14, o seguinte: “E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Uma bela parceria e um ótimo lugar, para ambos.
A morte é somente a primeira etapa, depois virá a continuidade, sob os desígnios de Deus.
Quer saber mais um pouco do poderio de Nosso Deus?
Em Apocalipse 22:13, Deus está falando: “Eu Sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Derradeiro”.
Meu irmão! Descansa em paz nos braços do Senhor.
Doravante, restará, apenas, a saudade eterna.
Do seu irmão e família.
Osvanir.

PS = Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. (Salmos 23:4).




sábado, 10 de fevereiro de 2018

"ADEUS MEU IRMÃO".




Em 5-3-2016 - faleceu o meu cunhado e amigo, marido de minha irmã.
Aproveito a oportunidade para enviar um grande abraço para minha irmã e família.
Deus estará sempre protegendo vocês.
Em 23-01-2018 – faleceu outro cunhado e amigo, irmão de minha esposa.
Que às Mãos protetoras de Deus sejam com meus dois sobrinhos e sua mamãe, que necessita urgente de um milagre de Deus, para proteção e orientação de seus filhos.
Em 08-02-2018 – faleceu meu irmão.
Deus levará consolo para minha cunhada e seus filhos, sem sombras de dúvidas.
Às famílias enlutadas, um versículo da Bíblia, para seus fortalecimentos.
Em provérbios 24:10 – Está escrito: Se te mostrares frouxo no dia da angústia, a tua força será pequena!
Sempre comparei a vida com uma roseira, no entanto, o jardineiro da natureza, ofereceu-me uma roseira sem pétalas, ficando bastante difícil trilhar por esse caminho, sem conforto, com os pés sangrando.
No calar da noite e no silêncio da madrugada, fiquei fitando o corpo de meu irmão dentro do caixão, o que me veio um filme, quanto a nossa infância, passada em Itajaí – SC. Na Rua Alberto Werner – Vila Operária, nossa terra natal.
Um mundo pobre, porém, cheio de felicidades.
Quantas brincadeiras, tais como: Bolinha de vidro, pião na roda, figurinha no bafo, boi de mamão, etc.
Morávamos numa casa de madeira simples, muito simples, porém, felizes para sempre.
Ao lado dessa casa, tinha um campo de gramas. Nesse campo, a nossa alegria era total, pois, além de jogar bolas, o melhor momento era quando brincávamos de soltar pandorgas, uma maravilha sem fim.
O meu irmão, o falecido, tinha uma maneira de divertir a gurizada, ou seja: Apanhava os lençóis usados de nossa mãe (saudades eternas), montava, com os mesmos, uma tenda, cuja parte interna, era divida em duas partes, uma para plateia e outro para o artista, no caso o próprio (meu irmão).
Na parte do artista, no caso ele, usava velas, para criar sombras e suas palhaçadas apareciam no lençol, em forma de sombras, o que fazia a gurizada morrer de rir.
Preço da entrada: um botão.
Criatividade elogiada por todos.
A brincadeira do boi de mamão, o ritmo e organização, eram dados por meu irmão.
Meios de ganhar um dinheirinho: 1 - Além de soltar pandorgas, confeccionavam às mesmas, para vender.
Tínhamos dois meios de mostrar as ditas pandorgas, uma no ar, outras penduradas na parede de frente de nossa casa.
2 – No final da Rua Brusque, existia um morro, lá era a nossa fonte de pedra de sapólio; levadas para casa trituravam-se às mesmas, até virar um pó muito fino. Muito útil para aplicação de limpezas em panelas etc.
O referido pó, sapólio, era vendido para donas de casas.
3 – Cepilho e serragem – Os mesmos eram apanhados numa serraria, no final da Rua Alberto Werner e, vendidos em sacos, para donas de casas.
Na época, era o combustível principal, utilizados em fogões.
A dona de casa colocava uma garrafa, em sentido vertical, e na boca do fogão, a garrafa era colocada em sentido horizontal; após bem socado, tirava-se às garrafas e atiçava o fogo com ajuda do cepilho. O processo ficava ardendo o dia todo, uma maravilha, para cozinhar a comidinha das donas de casas.
4 – Amendoim – O mesmo, era torrado, descascado, colocado um pouquinho de sal e vendido, com uma medida apropriada, nos campos de futebol, portas de igrejas e festas em geral.
Tempo depois, meu pai mudou-se para Serra Alta, Município de São Bento do Sul –SC.
Lá o nosso divertimento era, apanhar pinhão no mato e esperar o trem, às 16 horas, oriundo de Joinville – SC, e caçar.
Mudamos para Campo do Areião, em Santa Catarina. Um lugar de mata virgem, pois, o Segundo Batalhão Ferroviário, estava construindo estradas de ferro e, com o meu pai era Radiotelegrafista, tinha que ser o primeiro, a pisar em tal lugar; o principal meio de comunicação, na época, era a radiotelegrafia.
Lá, com muito cuidado, o nosso tempo, era utilizado em caças e, aos domingos, emprenhar-se pela mata virgem, procurar nó de pinho, combustível principal, para os fogões das donas de casas.
Lá ficamos conhecendo: Neves, Bugres, Cemitérios antigos, o Tatu Boi, e outros mais.
Após uma estada em Campo do Areião, meu pai e família, mudaram-se para CURITIBA’PR.
Aqui, a vida ficou mais dura, pois, tínhamos que trabalhar duro, para trazer o pão de cada dia.
Em linhas gerais, mencionei alguns momentos felizes e alegres, junto com o meu irmão, que se foi, ficando, apenas, a profunda saudade.
Agora, meu irmão, o lado feliz de nossa infância, junto com nossos pais, acabou, ficando, apenas, recordações positivas, daquele tempo.
Meu pai, minha mãe, você se foram, ficando uma lacuna profunda, sem ter como substituir, o que torna o meu mundo, muito sem graça e obscuro.
Quando terminávamos de brincar, nossa mãe, já estava esperando os dois moleques, com um lanche muito simples, contudo, com a doçura daquelas mãos de mãe carinhosa e sempre de braços abertos, para nos receber.
Eis os tipos de lanches: bolinho de banana, bolinho de fubá, fatia do céu, doce de abóbora e outros.
Olhando para o seu corpo, dentro do caixão, observando um corpo, que você apanhou emprestado na terra, o qual foi devolvido, para virar pó, contudo, o seu espírito, já está na antessala de Cristo, esperando Ele abrir a porta e dizer: “Entra meu filho no gozo de Teu Senhor”.
Meu irmão! Descansa em paz, enquanto nós, continuaremos a jornada, numa sociedade corrupta, nojenta, repleta de falcatruas, ladroagens, traições e outros venenos diabólicos.
Um dia, estaremos nos céus juntos, gozando das bênçãos de Nosso Deus.
Abraços e Saudades Eternas, de seu irmão.
Osvanir.

PS = Não é fácil, nada fácil, querer escrever, numa hora de muita saudade e tristeza que passamos nesses dias.
Portanto, peço desculpas, por algumas falhas, pois, estou muito emocionado, pela perda de meu irmão.
A estrela da vida, vai se apagando, dentro de tantas surpresas negativas.




sábado, 3 de fevereiro de 2018

"A VIDA LITERÁRIA DO CATARINA - 2017".



1 – BÍBLIA SAGRADA
Rui Barbosa disse acerca das Escrituras Sagradas:
“Se eu a coloco abaixo de todos os livros, Ela é a que mantém todos eles, se eu a coloco no meio dos outros livros, Ela é o coração desse livros, e se eu a coloco em cima dos outros livros, Ela é a cabeça e autoridade de todos os livros em minha biblioteca”.
2 – LIVROS:
1 – O Peregrino e a história de a peregrina.
2 – O que atrai o olhar de Deus?
3 – O texto do Novo Testamento.
4 – Padres apostólicos.
5 – Ecos da Liberdade.
6 – O dia que fez o Senhor.
7 – Em busca da Esperança.
8 – O dia que fez o Senhor – segundo volume.
9 – Jesus possui discípulos que não conhecemos.
10 – As condições para o poder de Deus manifestar-se em nossa vida.
11 – Napoleão.
12 – Eu, prisioneira da Farc.
13 – Elias.
14 – Multinacionais desenvolvimento ou exploração?
15 – A morte brilha no ar.
16 – O menino de olhos assustados.
17 – Às batalhas do castelo.
18 – A ditadura da beata.
19 – Por um grande amor.
20 – Deus me livre!
21 – A grande esperança.
22 – A cartomante e outros contos.
23 – Reportagem mortal.
24 – A montanha encantada.
25 – Três vidas, três amores.
26 – Memórias de um vencedor.
27 – Curumim sem nome.
28 – Os barcos de papel.
29 - Um presente inigualável.
30 – O Pantanal.
Média mês = 2,5 livros.
Abraços do
Catarina Paranaense.

PS = A LEITURA É PARA A MENTE O QUE O EXERCÍCIO É PARA O CORPO.




domingo, 28 de janeiro de 2018

"ADEUS MEU CUNHADO, MEU AMIGO",



No dia 29 de Dezembro de 2017, eu elaborei um blog, enfocando como é que eu recebo o ano novo.
Muita cautela, sem muito alvoroço e o escambau.
O ano novo é uma caixinha de surpresa, sem saber o que vamos enfrentar.
Essa é a minha ótica, agora, cada um faz a sua maneira, fogos, plantar bananeiras, gritar, dançar e outros.
Já no ano novo, de cara já recebi um presente de grego, ou seja: ao atender um telefonema, escutei uma mulher chorando, passando por minha filha, informando-me que foi sequestrada e estava nas mãos dos pilantras, com um revólver na sua cara. De imediato você fica sem ação.
Iniciei a falar com a mulher, fazendo algumas perguntas, achando que era a minha filha; porém, observei que o choro com a fala se repetia sem cessar, pensei, trata-se de uma gravação.
Solicitei para minha mulher entrar em contato com a nossa filha e demais pessoas de sua amizade, pois estava sendo comunicado do sequestro da mesma. Minha mulher entrou em contato como orientei e, depois de um apavoramento total, informou-me que a nossa filha estava na praia com família.
Diante do pseudo sequestro, a situação inverteu-se, coloquei o filho do capeta na parede, falei para o mesmo: continua falando panaca, que eu estou rasteando seu telefone, vou encontrá-lo e colocar você na cana. Na mesma hora, o mesmo desligou.
Agora, é fácil falar, na hora, você fica num desespero total, é de lascar.
Atentei para um noticiário, enfocando que tal golpe foi aplicado em diversas pessoas, muitas caíram no golpe, depositando o dinheiro solicitado.
Não sou melhor do que ninguém, contudo, comigo quebraram a cara.
Visitamos recentemente uma cunhada de minha mulher, esposa de seu irmão, que está atravessando uma situação bastante difícil, muito difícil mesmo, no que tange a enfermidade.
Um quadro doloroso em absoluto.
Todavia, ratificou-se o que já tínhamos conhecimento, ou seja, a maneira que meu cunhado, esposo da enferma, tratava sua esposa, um tratamento especial, digno de aplausos e louvores.
Minha mulher expressou-se da seguinte maneira, em relação ao seu irmão: “Sinceramente falando, não conhecia esse lado bom, admirável, de meu irmão, em relação a sua esposa”.
Quando chegamos, meu cunhado não falou da enfermidade de sua esposa, não se queixou, apenas, dirigiu-nos ao quarto da esposa acamada e disse para a mesma: “Nega olha quem está aí, declarando nome de cada um, eu, minha esposa, meu filho e nora e nosso netinho”.
Meu cunhado estava cumprindo muito bem o juramento que prestou no dia do casamento, cuidar um do outro, na tristeza, na alegria, na saúde e na DOENÇA.
Em tais situações, muitos maridos, muitas esposas, se mandam, infelizmente. Tô errado?
O casal tem dois filhos jovens, creio na faixa etária de 18 a 30 anos.
No dia 23 de janeiro de 2018, meu filho mais velho, chegou para mim e disse: Pai! O tio faleceu!
No caso o marido da pessoa enferma, nossa cunhada e concunhada, que estamos enfocando.
Olhei para o meu filho e repliquei: “Não”! Quem morreu, neste caso, foi à mulher de seu tio, sua tia, que está muita enferma.
- Não pai, não, foi o tio.
Cheguei à cozinha e deparei com a minha mulher chorando amargamente. Perguntei para ela: Quem morreu?
- Meu irmão.
A minha cabeça pirou, entrei em pânico, pois, quem estava bastante enferma era a sua mulher, agora, o marido da mesma morre?
Ficamos numa situação bastante complicada, sem resposta para o referido quadro apresentado; inclusive solicitando orações para que Deus operasse um milagre na mulher de meu cunhado, agora, recebemos a notícia de seu falecimento!
Não faz muito tempo que faleceu outro cunhado e amigo, casado com minha irmã; morte até hoje sem explicações; agora, morre mais um cunhado e amigo?
A vida vai ficando obscura, pois são pedaços da gente que vai embora, deixando marcas profundas, no coração de cada um. Não é fácil.
Agora, meu cunhado morto, sua esposa em situação delicadíssima; como ficarão a vida de seus dois filhos, ainda muitos jovens?
Aproveito a oportunidade de tristeza, para enviar aos seus filhos, não conselho, mas, uma colocação: “Vocês são extensões de seu pai, a vida continua, não tem outro jeito, contudo, nesse momento de tristeza, o primeiro passo é a união de vocês dois, para poder continuar o atendimento à sua mãe, na mesma altura que prestava seu pai”.
A união é uma arma forte, exemplificando o caso de uma corrente. A corrente é formada por elos; um elo apresenta uma resistência fraca, contudo, a união dos mesmos é que forma uma corrente forte.
Quando sentirem uma tristeza profunda, sem forças para resistirem, pense em Deus, o nosso Protetor para sempre.
Entrem em seus quartos e falem com Deus, exponham seus problemas, suas aflições, seus desesperos; Deus quer ser amigos de vocês e, vocês serão amigos de Deus.
Não tenham medo de Deus, Deus é amor, chorem, gritem, peçam ajudas, e Ele, prontamente, atenderá, sem sombras de dúvidas.
Peçam ajudas para sua mãe, peçam saúde para a mesma, Deus estará atento.
Deus está de braços aberto para quem procura.
Em Jeremias 29:13, eis o convite de Deus: “E buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração”.
Em Mateus 7:7 = Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate se abre.
Em Lucas 11:9 e 10 = E eu vos digo a vós: Pedi; e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque qualquer que pede recebe; e quem busca acha; e a quem bate abrir-se-lhe-á.
Peçam abrigos para Deus e Ele protegerá; Em Salmos 91:7, está escrito? Mil cairão ao teu lado, e dez mil, à tua direita, mas tu não serás atingido.
Não se esqueçam, Deus é o melhor refúgio, e Ele quer ser amigo de vocês.
Minha família estará orando por vocês, solicitando recuperação de sua mãe e suporte, em todos os sentidos, para vocês dois.
Deus será sempre com vocês.
Minha cunhada, concunhada, sobrinhos, nós amamos todos vocês e estaremos sempre orando por vocês, confiantes que Deus proverá a alegria em seu lar.
Abraços de Osvanir e família.