domingo, 15 de outubro de 2017

"SAUDADES"



Hoje me acordei com saudades de meus pais (in memória).
O saudosismo não é bem visto por muitas pessoas, contudo, eu quero que tais pessoas se explodam; sou saudosista sim senhor e não largo mão de tal saudosismo.
Quem não tem passado, ou não se lembra do passado, jamais terá condições de projetar o seu futuro, e fim de papo.
Semana anterior paticipei de uma pregação evangélica, cujo palestrante deixou bem claro que não é saudosista e não gosta de quem é.
Para esse tipo de papo, uso os meus ouvidos de mercador, ou seja, entra num lado e sai do outro, com a maior facilidade possível e impossível.
Lembrei-me, também, do Pitico no Botico, o gato educado, que minutos antes de morrer, fez o último pedido, morrer atrás da sapata de minha casa. Foi atendido e morreu como queria.
Hoje, a referida sapata é conhecida como o pilar de Pitico.
Está disponível para todos, respeitando às seguintes condições: Espiar por cima do portão, custa R$ 5 mangos; agora, para chegar perto e fotografar, R$ 10 mangos, sem papos.
O Pitico passou para o outro lado da vida, deixando profundas saudades, entretanto,apareceu
o Piticose, um gato sem credenciais, malandro, botando pancas e ignorando qualquer princípio social.
Chegou ao pedaço com diversas solicitações e exigências, tais como: Ração balanceada e de marca; água fresca, autorizada e examinada pela Sanepar.
Perguntei, por telepatia, e o lugar para dormir?
Resposta do Piticose: Uso a noite para viver não para dormir, Mané!
Não respeita horário, tanto para entrar e para sair.
Depois do jantar o mesmo desaparece e chega somente no outro dia pela manhã.
Enche muito bem o pandulho, faz uma verificação no terreno e passa a dormir, de dia é lógico.
Deixou bem claro, em letras garrafais, através da telepatia, que uma noitada bem festejada, vale muito mais do que um mês de férias.
Trata-se de um gato boêmio, bagunceiro, festeiro, malandro e arruaceiro.
Não gostou do nome Piticose, contudo, tá batizado e fim de papo.
Por quê Piticose?
“Aprendi num curso de Ciências Biológicas, que toda enfermidade que termina com”OSE e ITE” significam infecções e inflamações de um tecido, órgão ou sistema.
[Então, Piticose, nada mais, nada menos, do que as infecções e inflamações do Pitico.]
Recebeu toda carga negativa do Pitico, nada mais.
Todas às noites ele vai para farra, junto com uma turma, um verdadeiro absurdo.
Para me aporrinhar ainda mais, eles pulam o meu muro, recentemente pintado de branco, com tinta Suvinil para piso, ficam no referido muro, às marcas das patas dos mesmos, o que faz do referido muro, um verdadeiro borrão de sujeira, é mole, ou quer mais?
O Piticose é amarelado com manchas escuras, uma cor de burro quando foge; todavia, certa manhã ele apareceu totalmente pelado, ou seja, perdeu ou rasparam o pelo do Piticose, uma verdadeira maldade com o mesmo.
Não sei se gato perde o pelo ou o bicho levou uma tunda de alguém!
Só estamos engolindo sapos, no que tange as peripécias do Piticose, porque ele correu com todos os ratos da área, caso contrário, o mesmo já tinha levado um no traseiro.
O Piticose sabe muito bem que necessitamos do mesmo. Sabedor dessa necessidade deita e rola, sem medo de ser expulso de nosso lar.
Certa vez, após mais um dia de trabalho, cheguei e me joguei no sofá, liguei a televisão, a fim de assistir mais um filme moderno, “Tarzan nas Selvas de Itajaí”, notei que tinha alguma coisa se mexendo em cima da televisão: atentei para a coisa e, para minha surpresa, nada mais, nada menos, do que o Piticose, dormindo em cima da mesma.
Dei um berro, o mesmo, com toda calma da vida, levantou-se, deu uma sacudida com a cola e na mais tranquilidade possível, foi deixando a sala, é mole?
Piticose = Um gato do cão.
Abraços do
Catarina Paranaense.
PS, Tenha fé no futuro e o futuro ter-se-á favorável.




sábado, 7 de outubro de 2017

"COMPLEXIDADE"



O ser humano é tão complexo que, dentro dele existe uma verdadeira batalha, ou seja, as obras da carne e o fruto do Espírito.
Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.
Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes se opõem um ao outro; para que não façais o que quereis.
Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.
Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro como já antes vos disse que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.
Mas o fruto do Espírito é: Amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.
Contra essas colisas não há lei.
E o que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.
Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.
Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.
Uma simples colocação para sua medição profunda, ou seja, a carne contra o Espírito.
Abraços do Catarina Paranaense.
PS – Posso todas as coisas Naquele que me fortalece.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

PASSANDO PELO VALE DA VIDA.



Dias atrás foi acometido por uma onda de tristeza e desânimo, que penetrou na minha alma e espírito, que faltou gente para ver a situação do Cata.
Perdi a vontade de me alimentar, dormir, escrever, ler e o escambau.
Sou frio, não sou de soltar fogos, nem tão pouco derramar lágrimas, porém, esses tipos de situações entram se alojam e saem quando bem quiser independente de você gostar ou não.
Sou humano e como qualquer humano tenho uma cruz para carregar.
Visitei minha concunhada em Joinville/SC, e pude notar a situação lamentável da mesma; somente a Poderosa Mão de Deus, para reverter à situação; uma morta viva, lamentavelmente.
Visitei, também, o meu irmão, outra situação deplorável, somente carne e osso, proveniente da piteira do diabo, ou seja, o famigerado cigarro.
O cigarro levou meu pai para o cemitério e está levando o meu irmão.
Trabalhei seis anos na maior Companhia de Cigarros do Brasil, porém, não sei o gosto de um cigarro, Graças a Deus.
Trabalhei 15 anos na maior Cervejaria do Brasil e não conheço o gosto de uma cerveja.
Certa época, numa reunião, em nível de Brasil, um gravatinha, oriundo do Rio de Janeiro, para fazer onda, olhou para mim e falou bem alto: “Interessante, você é gerente de vendas de uma Cervejaria e não toma”!
Eis a minha resposta: Entrei aqui para tomar atitudes positivas e não encher a cara como você!
O gravatinha saiu de fininho e não me encheu mais o saco.
Cada qual com o seu obstáculo, sua cruz e seu sofrimento.

Estou lendo dois livros, a saber:
1 – Sequestro de Clara Rojas.
2 – Elias, o profeta.
Clara Rojas, advogada de direito comercial, foi professora universitária e era diretora da campanha de Ingrid Betancourt, também sequestrada.
Clara foi sequestrada pela FARC, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. A mesma foi tirada, a força, de sua liberdade absoluta e colocada no interior da floresta, vivendo que nem um bicho, ou pior de que um bicho.
Elias o profeta de Deus, homem de heroísmo, que esteve em Querite, o homem de Deus que viveu em Sarepta, o herói da fé que encarou os profetas de Baal e pediu fogo do céu, Este Elias, homem de humildade, que confiou quando Deus lhe deu uma promessa, que orou quando precisava que Deus lhe desse forças. Certamente um homem assim não cairia diante das intimações de uma mulher ímpia. Ou cairia? Bem, neste caso, ele caiu.
Então, Jezabel mandou um mensageiro a Elias a dizer-lhe: Façam-me os deuses como lhes aprouver se amanhã a estas horas não fizer eu à tua vida como fizeste a cada um deles.
Diante de tais ameaças, Elias se enfiou ainda mais no deserto, caminhou um dia inteiro, até que, exausto, parou debaixo de uma árvore.
Agora, a pergunta é: por quê? Por quê Elias temia as ameaças e intimidações de Jezabel? Por que ele fugiu da responsabilidade de servir a Deus e se escondeu, morto de medo, debaixo da sombra de uma árvore solitária no meio do nada?
Fácil, muito fácil de entender, apesar dos pesares Elias era humano como qualquer um, não era um semideus.
Não interessa a posição social, a proteção Divina, a cobertura total, todos, todos sem exceção tem que carregar a sua cruz, e fim de papo.
Abraços do
Catarina Paranaense.

PS, Na escola da vida não há férias.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

"JÁ PASSOU, AINDA BEM".



Dia 24 do corrente, completei mais um ano de vida, processo corriqueira entre os seres humanos, cumprir o ciclo vital: Nascer, crescer, atingir a maturidade, casar, reproduzir, envelhecer e morrer.
Uns ficam pela metade do caminho, outros ficam sem reproduzir, coisas da vida.
Sou um homem pobre, humilde, acostumado às coisas pequenas e ao silêncio.
Porém, nada de velinhas, palminhas, oba-oba, confetes e formalidades.
Gostaria de passar esse dia jejuando, meditando, lendo, escrevendo e ouvindo músicas evangélicas, ou seja, alimentar a alma e o espírito, e não o corpo.
Porém, não posso fechar a porta para minha família, o meu tesouro, projetado, realizado, ratificado e assinado pelo Deus Todo Poderoso e Único, que confio piamente.
No meu nascimento, o cara que prega, nos céus, uma estrela, anunciando mais uma vida, com uma preguiça absoluta, jogou a mão para trás e trouxe sem olhar algo, pregou nos céus, e aí sim, notou-se que ao invés de uma estrela, pregou uma cruz, cheia de ódio, traição, inveja e fofoca, no que tange a minha vida profissional. Pior: ao invés de uma cruz de madeira, pregou uma cruz de aço, é mole, ou quer mais?
Na ferramentaria da vida, mais um erro: Estava escrita a seguinte frase: O essencial na vida é abrir caminho ou cavar a sepultura. O cara entregador, sem qualquer tipo de responsabilidade, ao invés de entregar uma foice, um facão, uma enxada, entregou uma pá, inversão de valores.
Até hoje, estou abrindo caminho com a pá, é difícil, porém, não impossível.
Deixarei de registrar as ciladas, que os energúmenos colocaram no meu caminho.
Dia 24 de agosto, data de muitos acontecimentos, porém, dentre eles, registrarei alguns:
- As cidades de Pompeia e Herculano são destruídas pela erupção do vulcão Vesúvio.
- Suícida-se, com um tiro no peito de um Colt calibre 32, o Presidente do Brasil, Getúlio Vargas.
- Janio Quadros, sete meses após ser eleito, renuncia à presidência do Brasil.
- Mark David Chapman, assassino de John Lennon, recebe a sentença de prisão perpétua.
- A decisão mundial de futebol, entre o C.N. Marcílio Dias, de Itajaí, contra o Peri de Mafra, um dia histórico.
- Maior registro da data: Nascimento do degas, coisa de louco.
Deus me deu uma família, coesa, unida.
Sabemos perfeitamente que a força de uma corrente, não está na individualidade de cada elo, e sim, na união dos mesmos.
Assim é a minha família, união absoluta e com um lado totalmente positivo: Todos creem num Deus Único, Poderoso e Misericordioso.
Para mim basta já me sinto totalmente realizado.
Alguns avisos para meus algozes invisíveis;
- Não ando bem como quero, nem mal como desejas.
- Mil cairão ao teu lado, e dez mil, à tua direita, mas tu não serás atingido.
- Não temas, porque eu sou contigo: não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.
Eis que envergonhados e confundidos serão todos os que se irritam contra ti, tornar-se-ão nada; e os que contenderem contigo perecerão.
- Creio num Deus Único e Poderoso que: Abriu o Mar Vermelho, abriu o Rio Jordão, transformou água em vinho, deu luz ao cego, fala ao mudo, escuta ao surdo, curou leprosos, livrou os companheiros de Daniel no forno de fogo ardente e livrou Daniel na cova dos leões.
Quer mais?
Como ficará a minha vida? Deus proverá, Deus proverá, Deus proverá.
Abraços do
Catarina Paranaense.

domingo, 20 de agosto de 2017

"PROVA DE VIDA".



É muito normal, o aposentado fazer prova de vida, para continuar recebendo a merreca do salário, isto na vida privada, é lógico.
Você que têm conhecidos, parentes, que são aposentados, chega de leve nos mesmos, sem assustá-los, e faça a seguinte pergunta: Fulano! Você continua recebendo o mesmo valor do início de sua aposentadoria?
É claro que a resposta será “NÃO”. O valor da aposentadoria vai caindo, caindo, até chegar ao salário mínimo.
Cadê os direitos adquiridos? Sou revoltado quanto a esse processo. Você trabalha a vida toda, consegue a aposentadoria, que já é uma merreca, com o passar dos anos, o valor vai caindo ligeiramente, isso na vida privada.
Ainda bem, que já aplicaram uma identidade peculiar, ou seja, “PRIVADA”, chamando todos, dentro desse contexto, de bolo fecal, lamentável.
Procurar os direitos? Com quem? Advogados? E dinheiro para tais despesas? O negócio e receber o referido valor e ficar de boca fechada nada mais nos restam.
Fica registrado o meu desabafo, nada mais.
Então, fui convocado pelo banco que recebo a aposentadoria, a apresentar minha prova de vida.
Coloquei uma beca de catar ovo, muita brilhantina no cabelo e boas pingadas de óleo Dirce, coisa de louco.
Dirijo-me ao referido banco, cumprir meu dever de aposentado, grandes “M”.
Primeiro passo: Chegar ao banco.
Segundo passo: Passar pela porta giratória; lá já começou a encrenca, o guarda, ou melhor, o guarda-roupa olhou para mim e perguntou: “Vai fazer a prova de vida”?
Como é que você sabe?
- Ora bolas, com tal aspecto, só pode ser um vivo morto, principalmente com essa banha no cabelo, parecendo que enfiou a cabeça numa lata de banha.
- Não gostei da gozação, contudo, passou em branco.
Cheguei ao atendente dos terminais e perguntei: Posso fazer a prova de vida com você?
- No seu caso não, aspecto meio duvidoso para assumir tal responsabilidade; dirija-se ao caixa.
- Ali começou o lado bom da coisa, primeiramente apanhar a senha, no meu caso, fiquei em dúvida, terceira idade ou quarta idade; é, agora criaram a quarta melhor idade, ou seja, dois pés fincados na cova.
Já com a senha em mãos, vamos sentar, esperando a minha vez.
Uma sena agradável, todo mundo com cara de ninguém, com a senha na mão, esperando a vez de chamada.
É um tal de senta e levanta do cão, pois os primeiros números coincidem, todavia, o último número não bate com a sua senha.
Não deixa de ser um exercício, ou seja, senta, levanta, senta e levanta coisa de louco.
Pimba chegou a minha vez.
Já no caixa, aquela velha frescura:
Bom dia!
- Bom dia!
Depósito?
- Não, prova de vida!
- Lamento, disse a caixa, é necessária a presença da pessoa interessada; não aceitamos interferência de terceiro!
- Minha caixa, senhora, funcionária do banco, sou eu o  chamado por vocês!
- Você?
Chamarei o gerente para continuar o processo, pois, o seu aspecto não é dos melhores, dá-se a impressão que o senhor foi desenterrado de uma lata de banha. Credo!
- Minha senhora duvidosa, estou vivo, muito vivo, não estou com banha no cabelo, mas sim, brilhantina das melhores, OK?
- Brilhantina? O meu bisavô sempre contava que o seu tataravô usava essa tal de brilhantina, coisa lá do passado. De um modo em geral, todos que usavam brilhantina já se foram, não estão mais em nossos meios, por isso que não posso ratificar a sua prova de vida.
Chegou o da gravata, o gerentão.
- O senhor veio fazer a prova de vida?
- Sim senhor, algum problema?
- O senhor mora em algum cemitério, ou tem endereço vivo?
- Claro que tenho.
- Posso saber donde veio, já que está com a cabeça, ou melhor, os cabelos, cheios de banha; trabalha em algum frigorifico?
- Caro gravata, nanico por excelência, não se trata de banha, mas sim, brilhantina, OK? Eu disse brilhantina, entendeu?
- Meu caro duvidoso, tai o motivo de nossa dúvida, pois, este produto era usado pelos antigos, todos mortos! Posso saber a origem de tal produto?
- Comprei na casa de seu avô, OK?
- Nada feito, o meu avô está morto.
- Só sairei daqui com a prova de vida na mão, caso contrário, dormirei no banco e fim de papo.
- Entrega a prova de vida para esse infeliz, contudo, faça uma observação, a saber: “Vivo, porém, com aspecto cadavérico”.
- Ufa, que merda.
- Já com a prova de vida na mão, passando, novamente, pelo guarda-roupa, o mesmo falou:
Conseguiu a prova de vida fantasma?
- Aí eu fiquei macho, chamei o cara para a briga, já no lado de fora do banco.
- Ele veio?
- Não, o cara não estava no posto, foi tomar café, mas que eu chamei o baita monte chamei.
O quê foi?
Alguma graça para abrir essa canjica cheia de dentes?
Abraços do
Catarina Paranaense.

PS = O futuro de um homem está escrito no seu passado.